Administração Trump anuncia plano para monitorar redes sociais de imigrantes e naturalizados

Spread the love




 

O Governo dos Estados Unidos anunciou quietamente um plano para coletar informações de redes sociais dos imigrantes na America, uma política que quebra e abusa da privacidade das pessoas.

A regra, que primeiramente foi divulgado pelo BuzzFeed e publicado na última semana pelo Department of Homeland Security (DHS) no registro federal, deverá ser aplicado tanto para novos imigrantes como também para os americanos naturalizados.

A política diz que o departamento quer incluir identificadores de redes sociais, identificadores de nomes falsos, identificadores de informações associadas ao imigrante e identificadores de resultados de pesquisas, conforme descrito no documento. Ainda não está claro como os agentes de imigração terá acesso a essas contas.

Porém, advogados e especialistas dizem que as novas políticas não são susceptíveis de melhorar a segurança nos Estados Unidos e que este sistema abre a potenciais abusos e erros que poderiam destruir desnecessariamente a vida das pessoas.

“A maioria dos análises que eles já fazem é muito mais profundo do que uma busca de mídias sociais”, disse Alex Nowrasteh, analista de política de imigração do Instituto Cato, para The Independent. Isso “apenas adicionará outra camada de burocracia sem proteger ninguém”.

As políticas de monitoramento de redes sociais começaram a ser consideradas pelo DHS após o tiroteio em massa em San Bernardino em 2015, disse Nowrasteh, quando surgiram relatórios que um dos atiradores havia dito na mídia social que ela era uma jihadista interessado em machucar os americanos antes de ter vindo para os EUA do Paquistão.

Na verdade, esses relatórios eram falsas notícias. Enquanto o atirador expressava pontos de vista extremistas, ele não fazia isso nas plataformas tradicionais de mídia social. Os pesquisadores descobriram mensagens privadas como e-mails e comunicações em um site de namoro e em uma plataforma de mensagens on-line, mas não em sites como Facebook, Twitter ou Instagram.

O DHS, no entanto, prosseguiu com pelo menos três programas-piloto para exibir perfis de mídia social de imigrantes de qualquer maneira. Eles descobriram que as exibições não produziram vínculos claros com ameaças ou preocupações de segurança nacional entre os refugiados, mesmo para aqueles indivíduos que os EUA determinaram que representavam um risco de segurança por outros meios.

“É muito fácil evitar fazer essas coisas. Pessoas que postam online usam pseudônimos se eles estão apoiando a violência”, disse Nowrasteh, observando que qualquer terrorista inteligente simplesmente não postaria visões extremistas em suas mídias sociais antes de viajar para a América. “A menos que de alguma forma, mostre uma maneira de saber quem é que usa cada nome falso, isso não aumentará a segurança”.

O Departamento de Segurança Interna disse em um email que a regra não representa uma nova política de triagem de imigração e que publicou sua atualização em registros de privacidade em um “esforço para ser transparente, para cumprir os regulamentos existentes” e para cumprir requisitos de divulgação existentes.

César Cuauhtémoc García Hernández, professor associado de direito na Universidade de Denver Sturm College of Law, disse à The Independent que o monitoramento de contas de redes sociais poderia ter um efeito arrepiante na liberdade de expressão. Os imigrantes e os cidadãos naturalizados podem se auto-censurar, preocupado com a possibilidade de sua atividade de mídia social fazer com que o DHS sinalize por ter valores ou idéias contrárias ao governo federal – mesmo que as postagens não constituam uma ameaça à segurança dos EUA.

Por exemplo, um imigrante que publica uma foto deles em frente a um dispensário de maconha no Colorado poderia ser marcado. A maconha recreativa é legal no Colorado, mas tecnicamente ilegal de acordo com a lei federal. Agentes de imigração, ao ver essa foto, poderiam então perguntar se o imigrante fumava maconha, um ato que poderia pôr em perigo à aprovação da imigração.

A marijuana legal “é uma das coisas que faz do Colorado um lugar de ponta. Nós não pensamos nisso como problemáticos moralmente ou legalmente “, disse García Hernández, explicando que publicar essa foto no próprio Colorado não seria um problema. “Mas, na realidade, se você não é cidadão dos EUA, essa é potencialmente a base para a detenção ou deportação”.

“É um efeito arrepiante”, continuou ele. “Se você está preocupado com o fato de que assumir uma posição política no Facebook pode significar que você tem problemas de imigração quando DHS lê sua página FB, então seria inteiramente razoável manter sua página do Facebook fechada”.

Fonte: The Independent from UK

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *